falconmnu@gmail.com

quinta-feira, 1 de março de 2012

O GRITO DOS POBRES...

Mais uma vez constatamos essa triste realidade em nome de um falso desenvolvimento os pobres são novamente desconsiderados, nem sequer são ouvidos e, o que é de pior, são ameaçados na sua dignidade e não respeitados nos seus direitos de cidadãos.

Vivemos num país em que os nossos governantes são trocados no comando do poder, mas quem nele se encontra continua perpetuando o modelo colonialista que impera, infelizmente, na nossa pátria.

os mega-projetos aprovados e financiados pelo governo federal e estadual repetem procedimentos combatidos por quem sempre defendeu os direitos das pessoas de terem sua terra para subsistência e para viver uma vida com dignidade.

Ouvindo relatos de pessoas atingidas pelo projeto assim chamado. Complexo logístico intermodal porto sul,a gente fica estarrecido em ver como as pessoas são manipuladas, e até compradas, pelo governo estadual e pela a empresa mineradora interessada em lucrar com a exploração do minério na nossa terra. Para as obras desse projeto governo do estado da Bahia destinou verbas públicas do PAC, sem que houvesse nenhum tipo de consulta popular. Os processos de licenciamento do porto sul FIOL, (ferrovia de integração oeste leste)envolveram desinformação é truculência com as comunidades diretamente atingidas. Falsas promessas de empregos aliciaram os poderes públicos locais, que mais uma vez deram as costas a população.

O que nos entristece é ver que várias lideranças das comunidades de igreja estão se deixando levar por esse tipo de procedimento que é condenado pelo ensino social da igreja . o papa Paulo vi escreve que o desenvolvimento autentico deve ser integral, quer dizer, promover todos os homens e o homem todo.. O que conta para nós é o homem, cada homem, cada grupo de homens,até se chegar á humanidade inteira(popularium progressioúm, 14 citado por bento xvi na encíclica caritas in veritate,18).

O que se ver é o desrespeitoás pessoas atingidas por esses projetos. Os depoimentos de gente que tem sua terra e sua casa no trjeto da ferrovia e do complexo intermodal vem corroborar o procedimento truculento do governo do estado que quer, a tudo custo, eliminar os obstáculos quer humano ou ambientais, que estão á frente do mesmo projeto.

Os projetos Pedra de ferro, FIOL e porto SUL, atualmente na Bahia, são os maiores responsáveis pelos impactos sócio ambientais em comunidades tradicionais, quilombolas ribeirinhas, indígenas e assentamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário