falconmnu@gmail.com

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Estratégia da bamim de tentar descaracterizar o povo do campo

  A mais nova estratégia da bamim agora é fazer apresentações de relatório de impacto ambiental á estratégia agora é buscar apoio dos sindicalista, que só tem uma meta , de vida, ganhar dinheiro e garantir empregos mesmo que para isso eles passem por cima dos interesses elheio que para isto promovam a expulsão do povo do campo para o Estado progresso é isso, expulsar famílias inteiras de suas terras para servi ao grande capital estrangeiro não importa para o Estado o que , importa na verdade é que tem que sair este projeto a qual quer custo o Governo tem um compromisso de campanha com as grandes empresas estrangeiras Bahia Mineração Veracel Celulose Aracruz Celulose Fibria Celulose Istora enzo e outras mais o Estado por sua vez tem de ir de encontro aos intereces do povo do campo só por subserviência por incapacidade de acreditar na luta de um povo povo que tem um histórico de muita luta no campo que estão vendo seus sonhos serem destruídos por parte do Governo da Bahia, que por sua vez quer impor , um rpojeto a qual quer custo, sem nenhum bonos para a sociedade do campo assentados, quilombolas, pequenos produtores, O Estado da Bahia, acredita que progresso é tirar o povo do campo provocar o êxodo rural o crescimento desordenado das favelas aumentando os bolsões de pobreza na região. Que se faz o progresso um governo que vende sua campanha por alguns milhões e pós a campanha vende a Bahia por bilhões armando contra o povo que te deu o voto, este governo não merece confiança sindicalistas que se vende por uns mil em dinheiro não merece credito quando e como poderemos defender as causas dos sindicalistas se seus dirigentes estão a favor da miséria, a fome, e o desemprego, do homem do campo com que moral os sindicalistas da região, pode se dirigir aos companheiros de luta que defende a vida no campo e depois a gente ver os camaradas de sindicatos apoiando um projeto que só vai trazer desgraças para a população do campo.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário